Teletrabalho ou home office: quais as diferenças?

13/05/2020

Teletrabalho ou home office: quais as diferenças?

Nos últimos meses, tem-se falado muito sobre trabalho remoto, uma vez que muitas empresas optaram por adotar os sistemas de teletrabalho e home office, para evitar o contato entre funcionários e, assim, preveni-los do contágio pelo novo coronavírus. Porém, os conceitos desses estilos de trabalho podem confundir tanto empregados quanto empregadores. Neste texto você irá entender o que cada um significa e as suas diferenças. Confira!

Teletrabalho

Recebe esse nome o método de trabalho em que o empregado cumpre as suas tarefas da empresa em casa, de maneira remota. Para ser efetivamente um teletrabalho é preciso que o serviço se encaixe em dois requisitos. O primeiro é que essa condição deva estar prevista em contrato e assinada pelas duas partes. Outra exigência da lei trabalhista é a de que o funcionário deve permanecer logado ao sistema da empresa enquanto trabalha e, por esse motivo, não há necessidade de registro de jornada de trabalho. Isso dá mais flexibilidade ao colaborador, que pode cumprir as suas demandas no horário de sua preferência, desde que conclua as suas tarefas.

Home office

O formato de home office, por sua vez, trata-se do trabalho feito em casa por motivos excepcionais que impedem que o colaborador compareça à sede da empresa. Portanto, não está previsto no contrato e não há exigências de se utilizar o sistema da empresa para concluir as suas demandas.

Por se tratar de um trabalho que deveria ser cumprido presencialmente no espaço físico da empresa, mas que está sendo feito em casa, o empregado tem a obrigatoriedade de registrar o ponto, para que se comprove que ele está trabalhando no horário correto. 

Quando existe a necessidade de se adotar o método de home office por um longo período, fica a cargo da empresa a decisão de pagar ou não pelo benefício de vale-transporte, uma vez que não há gastos de deslocamento. Por outro lado, o vale-alimentação e vale-refeição devem ser mantidos integralmente, caso o pagamento destes benefícios estejam previstos em contrato ou em acordos sindicais. Se não houver qualquer acordo formal, o empregador pode optar por não pagar.

Como vimos, apesar de serem parecidos, existem diferenças legais entre as duas formas de trabalho, que estão sendo adotadas com mais frequência pelas empresas nos últimos meses. 

Gostou deste conteúdo? Confira outros materiais aqui no blog da MoveEdu.

Como organizar as finanças quando há grandes mudanças econômicas

Saiba o passo a passo para criar uma loja on-line

Grupo MoveEdu

Com mais de 30 anos de experiência no mercado de educação, o Grupo MoveEdu é detentor das redes Prepara Cursos, Microlins, People, SOS, Ensina Mais Turma da Mônica, Pingu’s English, English Talk e ITB. Já recebeu diversos selos de qualidade da Associação Brasileira de Franchising e prêmios de melhores franquias do Brasil. Conta com diversos programas de inserção no mercado de trabalho para jovens e de bolsas de estudo. Se interessou? Então comece agora mesmo! Conheça mais sobre o grupo MoveEdu e prepare-se para entrar de cabeça em um dos mercados que mais crescem no Brasil!

Comments